Pelo fim do Dia da Mulher


0805-Covarde-mas-autêntica-230x300Há muitas barreiras a serem derrubadas. Mudar condutas sociais históricas, porém, é processo longo. Exige o empenho dos diferentes segmentos da sociedade. Estado, escola, igrejas, clubes sociais, mídia precisam se comprometer com a causa. O Dia da Mulher, embora simbólico, precisa se tornar obsoleto, triste memória do passado que virou a página. A expectativa é que seja breve. O Brasil não pode aguardar a virada do século para chegar lá.

A existência de um dia dedicado à mulher seria patético numa sociedade livre de discriminação de gênero. Se não patético, pelo menos folclórico, extravagância de satisfeitos que não têm mais nada por que lutar. Ou, em hipótese menos cor-de-rosa, em países em que impera a igualdade de direitos – mulher e homem com as mesmas prerrogativas e deveres estabelecidos na lei. No Brasil, a Constituição é clara. O artigo 5º veda toda forma de discriminação. As demais leis não apresentam tendência a tratamento desigual baseado em sexo. Sabe-se, porém, que, apesar da legislação moderna, tratam-se diferentemente as pessoas em razão de pertencerem ao universo masculino ou feminino. A atrasada e persistente distinção tem raízes culturais profundas. No século 21, parte da sociedade ainda olha para os tempos sintetizados pelo padre Antônio Vieira.

“A mulher”, escreveu o jesuíta nos anos 1600, “só deve sair de casa três vezes: no batizado, no casamento e no enterro”. Mira ainda, talvez saudosa, o longo período em que a mulher era proibida de votar e ser votada, de disputar cargo público ou vaga no mercado de trabalho. Frequentar escola era sonho irrealizável; ler e escrever, privilégio masculino. Os afazeres domésticos, sim, lhe pertenciam. A ela cabia, sobretudo, cuidar da casa, dos filhos e do marido.

O país avançou a passos largos a partir da metade do século passado. Graças aos movimentos libertários que sacudiram o mundo na década de 1960, entre os quais sobressai o feminista, conquistas se multiplicaram. Hoje, a brasileira tem média de escolaridade maior que a do brasileiro. Está amplamente inserida no mercado de trabalho. Dilma Rousseff chefia o Executivo ungida pelo voto popular.

Mas falta muito para alcançar a efetiva igualdade de direitos. Excluído no serviço público, que recruta mão de obra por meio de concurso aberto, os salários pagos a elas estão aquém dos pagos a eles no desempenho das mesmas funções. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2007, mulheres e homens só vão alcançar a equiparação em 2100. Não só. Os dados da violência são alarmantes. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a cada cinco minutos uma mulher sofre agressão no mundo. O responsável por 70% dos atos de barbárie é gente de casa – marido, companheiro ou namorado.

Há muitas barreiras a serem derrubadas. Mudar condutas sociais históricas, porém, é processo longo. Exige o empenho dos diferentes segmentos da sociedade. Estado, escola, igrejas, clubes sociais, mídia precisam se comprometer com a causa. O Dia da Mulher, embora simbólico, precisa se tornar obsoleto, triste memória do passado que virou a página. A expectativa é que seja breve. O Brasil não pode aguardar a virada do século para chegar lá.
##############################
Eus-R Doação de Sangue .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: