Grafite: Arte que se espalha por BH


image 02Com a expansão da linguagem ao longo dos últimos 20 anos, artistas se firmam com trabalhos autorais nas ruas.
Hoje, a partir das 8h, um grupo de 60 grafiteiros estará concluindo, ao longo de um quilômetro de muro, na avenida dos Andradas, no bairro São Geraldo, um painel coletivo iniciado na sexta-feira. Trata-se de mais uma obra para o acervo da imensa galeria de arte a céu aberto em que Belo Horizonte se transformou a partir de meados dos anos 1990, com a expansão do grafite e a consolidação, ao longo da década passada, de alguns artistas que se tornaram grifes. Binho Barreto, Dalata, Denin, Raquel Bolinho, Hyper, Wagner “Vishnu” Braccini, Thiago Alvim, Zack e Viber são apenas alguns dos nomes que deixaram e ainda deixam suas marcas registradas espalhadas por BH: grafites “de autor”, facilmente identificáveis, e que tornam a cidade mais colorida e pulsante.
Grafites na regiao central de belo horizonte proximo ao viaduto de santa tereza 0Grafites na regiao central de belo horizonte proximo ao viaduto de santa tereza 03
Alguns deles já não mantêm a mesma rotina de grafitagem de alguns anos atrás, porque diversificaram suas atividades artísticas, mas a trajetória e o traço de cada um ajudam a contar a história da arte de rua na capital mineira. É o caso de Binho Barreto, que começou a grafitar em 1996, deu uma pausa na década passada, porque, conforme diz, estava em crise com o grafite, e retornou com um foco melhor definido.
“Hoje grafito menos, porque tenho várias atividades e porque prefiro fazer só quando sei que estou contribuindo. Não é uma coisa muito objetiva, mas gosto de grafitar em lugares que foram esquecidos pelo Estado, pelas corporações. É o avesso do cartão-postal, aquele papel de tratamento mais rude. Acho que Belo Horizonte passa um pouco por isso, tem a cidade vitrine, onde há investimentos, e tem a cidade, que é o verso do cartão-postal, para onde vai o que não cabe na vitrine. Esses lugares é que eu acho legais de grafitar, eles têm mais autenticidade. Os lugares que são vitrines estão padronizados, dentro do que se acha que tem ser um cartão-postal”, diz.
Grafites na regiao central de belo horizonte proximo ao viaduto de santaimage 01
Artistas que estão há mais tempo na atividade das ruas, como Denis Leroy, o Denin, que começou a grafitar em 1990, são testemunhas da evolução dessa forma de expressão na cidade. “O panorama mudou bastante, principalmente em função de material. Dos anos 2000 para cá, novos fabricantes de tinta chegaram ao mercado, então, hoje a galera trabalha com tinta importada, específica para grafite, o que contribui para o aprimoramento da técnica. E no estilo também houve muita mudança, uma abertura. Hoje, a linguagem do grafite é bem mais rica em termos de variedade. Antes era muito ligado só à cultura hip hop”, diz.
image 0image 04
Mas nem todo mundo vê essa popularização e expansão do grafite com bons olhos. André Gonzaga, o Dalata – um nome sempre lembrado por seus pares –, fala em banalização da linguagem. “Hoje tem vídeo tutorial na internet ensinando como fazer grafite. A quantidade de material que se tem atualmente é infinitamente superior ao que tinha há dez anos, quando a gente improvisava com tinta para automóvel, por exemplo. Hoje em dia não existem barreiras como existiam, é mais fácil sair na rua e conseguir uma parede para pintar, todo mundo sabe o que é grafite e o próprio poder público tem uma tolerância maior. Então acho que gerou uma banalização mesmo. Não vejo que o aumento quantitativo corresponda ao qualitativo”, diz, ressaltando a necessidade de consolidação de estilo.
image 05image 03
Fato é que os grafites de autor estão por toda a cidade, com uma concentração grande na região Centro-Sul, mas também, por exemplo, na Pampulha, onde Wagner “Vishnu” Braccini preferencialmente cria suas obras, no Taquaril, região tomada pelos grafites de Nilo Zack e Lídia Viber, ou mesmo em espaços mais resguardados da apreciação pública. “Às vezes estou transitando de carro, paro e faço uma coisa mais rápida, em lugares que ninguém frequenta, no meio do mato, em fábricas abandonadas. E são trabalhos de que também gosto muito”, diz Thiago Alvim, que, apesar de atuar há menos tempo nas ruas – ele começou há cerca de seis anos –, também é sempre lembrado por outros grafiteiros da cidade.
image 06image 07imageO grafiteiro Wagner Braccine o Waguinho finaliza um de seus desenhos na regiao da pampulha
Por: Daniel Barbosa
Ver também:BH ganha street art pela paz
https://eusr.wordpress.com/2013/12/07/bh-ganha-street-art-pela-paz/

########################################
Eus-R Doação de Sangue .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: