Perigo em dose dupla


Eus-R 0Pesquisa nos principais pronto-socorros de BH mostra que, além dos danos à saúde, consumo de álcool está relacionado a boa parte dos atendimentos de urgência. Só entre envolvidos em violência, 38% tinham bebido ou apresentavam sintomas de embriaguez
Por: Paula Sarapu
ultima-gota-supere-o-alcoolismo-e1344952603491
Os males da bebida vão além dos danos conhecidos à saúde. Pesquisa realizada em várias capitais e concluída este ano pelo Ministério da Saúde dá a dimensão de como o consumo excessivo de bebidas é combustível para acidentes e ações violentas que resultam em atendimentos nas urgências e emergências dos hospitais brasileiros. O problema é grave também em Belo Horizonte: os números do estudo na capital mineira, a que o Estado de Minas teve acesso, indicam que o consumo de álcool está relacionado a 18% dos atendimentos decorrentes de acidentes de trânsito e que 38,7% dos atendidos por envolvimento em atos violentos estavam sob efeito de bebida. A pesquisa em BH foi feita nos pronto-socorros do João XXIII, Risoleta Neves e Odilon Behrens.
alcoolismo
Os dados fazem parte da pesquisa Viva (Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes). O objetivo do trabalho era conhecer a situação dos atendimentos de lesões que não provocaram morte, mas que representam uma parte importante da demanda por assistência, como acidentes de trânsito, agressões e quedas. Em BH, 1.533 vítimas de acidentes e violência responderam as perguntas e o resultado confirmou o impacto do consumo de bebidas nos atendimentos: 14,1% dos entrevistados com 18 anos ou mais admitiram ter feito uso de álcool ou demonstravam sinais de embriaguez.

“Infelizmente, esse é o dia a dia das emergências”, lamenta o diretor da emergência do João XXIII, Tarcísio Versiani. “E a gente observa um crescimento nos atendimentos motivados pelo consumo exagerado de bebida”, acrescenta. Segundo a pesquisa, 50% das vítimas de violência foram atingidas por objetos que perfuram ou cortam e 30,1% sofreram espancamento ou foram agredidas. “A bebida deixa as pessoas mais agressivas, com a sensação de que tudo pode. Elas acabam potencializando a raiva e não medindo as consequências. Perdem o controle, afirma o diretor da emergência do João XXIII. O médico destaca ainda que boa parte das brigas tem motivo banal.
536110_485083381528549_1194375687_n
Trânsito A pesquisa coletou também dados sobre um problema conhecido: a bebida no trânsito. E revelou que, além de motoristas, pedestres alcoolizados também ampliam o risco de acidentes. Segundo o estudo, havia suspeita de embriaguez ou confirmação de consumo de álcool em 23,3% dos pedestres que procuraram atendimento em um dos três hospitais belo-horizontinos. Entre os condutores, esse percentual foi de 13,4%. “Muitos pedestres já atravessam fora da faixa e no meio dos carros, sem nem olhar para o lado. Quando bebem, então, estão mais encorajados a se arriscar”, analisa Tarcísio Versiani, do João XXIII, que reforça o alerta para o perigo de misturar bebida e direção. “Às vezes, frações de segundos são vitais para uma decisão no trânsito e a bebida não permite esse raciocínio claro, já que deixa os reflexos diminuídos e causa letargia”, diz. “Nos fins de semana e período noturno, a grande maioria dos acidentes com carros e motos estão relacionados à bebida. Um simples exame clínico comprova a voz embaraçada, os olhos vermelhos e a falta de concentração”, completa.

Outro dado do estudo revela que os pacientes que beberam tiveram mais necessidade de internação e demoraram mais tempo a ter alta do que aqueles que não fizeram consumo de álcool e também se envolveram em acidentes ou foram vítimas de violência. Segundo a pesquisa da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, a proporção de alta foi maior (77%) e a de internação hospitalar menor (14,4%) entre aqueles que não beberam. Dos pacientes que consumiram bebidas alcoólicas, 64,8% tiveram alta e 26,1% necessitaram de internação hospitalar.

Para o psiquiatra Valdir Ribeiro Campos, especialista em dependência química, as condições dos pacientes que beberam são piores. “O álcool não é uma substância qualquer. Muitas vezes, o paciente não tem nem problemas com dependência, mas exagera, fica agressivo ou impulsivo e acaba se envolvendo em brigas, acidentes ou violência. Isso é muito comum”, afirma. Ele lembra que quem bebe muito por tempo prolongado pode ter problemas crônicos, como doenças cardíacas, no fígado e no pâncreas.
cirrhosis
Consumo em alta em BH

A pesquisa do Ministério da Saúde apontou que os homens são os que mais precisam de atendimento por acidentes ou violência relacionada ao álcool. O Vigitel Brasil, outro trabalho do ministério, reforça o problema na capital: no ano passado, os belo-horizontinos estavam em terceiro lugar no ranking de consumo abusivo de bebidas alcoólicas (cinco ou mais doses numa mesma ocasião), com 31,9% dos entrevistados.
alcoolismo 1
Entre as mulheres, a capital mineira ficou na quinta posição (12,6%). Por sua vez, a Pesquisa por Amostra de Domicílio (PAD) da Fundação João Pinheiro, divulgada em dezembro do ano passado, indicou que um quarto dos mineiros acima de 14 anos admitiram beber regularmente.
################################################################################################################################
Doação de Sangue 00assinatura_hemominas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: