Ao amigo Ronaldo Fraga


cnt462210_h169_w301_aNoChange_assista-ao-desfile-de-ronaldo-fraga-no-spfwAcho impossível que nossas descendentes, nossas, das mulheres negras de hoje, que nos insurgimos contra o seu escorregão na casca de banana do racismo, venham a dar um sentido positivo à comparação entre palha de aço e cabelo crespo. Este é um símbolo do racismo demasiadamente destruidor, como o ferro de fritar cabelos, como a saudação nazista ou a suástica.

CidinhaPor Cidinha da Silva

Sou fã de Ronaldo Fraga. Não tanto pela moda que ele produz, da qual não entendo patavina (de moda, não só do trabalho dele), mas pelo posicionamento político, pela simplicidade, pela inteireza de caráter que sempre me pareceu ter. Além do que, Ronaldo é mineiro e nós que somos das Minas estamos sempre de olho nos nossos que se destacam em qualquer campo.
Ronaldo Fraga 0
Há uns 15 anos tive o primeiro contato com ele por meio de uma entrevista, gostei muito das idéias, da forma simples como olhava o mundo e trabalhava. Elogiei-o em conversa com um amigo que o conhecia pessoalmente e este me contou maravilhas sobre o estilista. Disse que além de ser um homem bem posicionado politicamente, um progressista num meio conservador e fútil, tinha práticas de respeito às pessoas comuns em seu cotidiano, além do compromisso de promovê-las, a partir do lugar de destaque que ocupa. Contou-me, por exemplo, que no ateliê localizado em bairro riquíssimo da capital mineira e cercado por um conglomerado de favelas, Ronaldo empregava costureiras da região, pagava-lhes salário justo, oferecia flexibilidade de horário para que estudassem e dava-lhes participação nos ganhos da empresa, por produção. Era um sujeito humano, sincera e coerentemente humano.
Ronaldo Fraga 01Ronaldo Fraga 07
Algum tempo depois, encontrei-o no antigo aeroporto da Pampulha, em BH, acompanhado da esposa e das crianças que me pareceram ser suas filhas. Eu olhava as roupas delas para me certificar de que eram confortáveis, mesmo. É que o Ronaldo, a pedidos, havia criado uma linha infantil baseada no conceito de conforto, haja vista que a liberdade deve ser um princípio de vida das crianças. Segundo tinha lido, ele começou a desenhar roupas para a filha, porque à medida que ela crescia, não encontrava roupas adequadas a crianças, RAM sempre vestimentas de mulheres adultas, tamanho miniatura. Os clientes da loja gostaram e começaram a pedir peças para os próprios filhos também.
Ronaldo Fraga 03
Nunca fomos apresentados, mas eu o conhecia e admirava, talvez numa emanação dessa admiração, quando nossos olhares se encontraram, por acaso, ali no aeroporto da Pampulha, ele, muito gentil, sorriu e me cumprimentou. Retribuí surpresa, disse o nome dele na resposta e a esposa, para meu espanto, também me saudou. Naquela época eu nutria uns dreads poderosos e ele, sempre atento às pessoas negras (modelos negras sempre foram marca de seus desfiles), deve tê-los achado estilosos, num tempo em que não se viam tantas negras de dreads em Velho Horizonte.
Ronaldo Fraga 06
Pois bem, continuei acompanhando o estilista nos shows de outro mineiro, o Vanderli, vestido por ele. Recentemente, estava em BH e soube de uma instalação de Ronaldo na Praça da Liberdade, lugar lindo, por si só repleto de poesia, escolhido para lançar nova coleção, ao ar livre, entre árvores e flores. Era algo com poemas do Drummond, não sei se havia outros poetas também, planejei passear por lá, mas, me enrolei com o tempo ou com a chuva e não pude ver.

Agora, às vésperas do Dia Mundial Pela Eliminação da Discriminação Racial, leio que no segundo dia de desfiles do São Paulo Fashion Week, Ronaldo Fraga e Marcos Costa (artista da beleza) apresentaram modelos brancas e negras com um arranjo feito de palha de aço como cabelo. Foi um gancho no meu queixo.

Refeita da tontura, li a explicação dos artistas, diziam eles: “o suposto cabelo ruim é na verdade uma escultura em potencial” e as mulheres negras devem ter orgulho do próprio cabelo, não precisam alisá-lo. Notem como a intenção de Ronaldo e Marcos parecia ser boa, as modelos brancas também usaram o tal cabelo. Só que, mesmo tendo encaminhado pedido de desculpas, que acredito seja sincero, a dupla de criadores derrapou na escolha do signo de enaltecimento. Caíram na esparrela do afeto que tem sido absolutamente eficaz na perpetuação do racismo brasileiro, ou seja, não é porque a intenção é aparentemente boa e um dos autores tem currículo de respeito aos negros que poderia blindá-lo, que a discriminação racial deixa de acontecer.
Ronaldo Fraga 03
A arte deve ser livre, como advogaram os dois homens da moda utilizando outras palavras, como a justificar a escolha da palha de aço para representar os cabelos das mulheres negras, talvez, numa intenção (infeliz) de subverter um símbolo de opressão. O caso é que, embora falemos de arte (guardadas as controvérsias, pois há estilistas respeitáveis que não consideram a moda uma manifestação de arte), ensina a política que são as pessoas oprimidas as que escolhem símbolos opressores que em dadas situações são subvertidos e/ ou re-significados. E não se trata aqui de acusar gratuitamente ao Ronaldo e ao Marcos como opressores, mas, concordamos que eles não são os oprimidos da história. Certo? E nenhum dos dois tem autoridade ou legitimidade para arvorar-se a revisor deste sustentáculo de opressão das mulheres negras durante sucessivas gerações, escudando-se na frase: “o suposto cabelo ruim é na verdade uma escultura em potencial.”
Ronaldo Fraga 08
Ora, ninguém é ingênuo aqui, vamos conversar de maneira séria. A escultura de Marcos, desastradamente referendada por Ronaldo, ratifica a coisificação de um atributo humano das mulheres negras, o cabelo crespo. Não é inofensivo recurso estético, apelo estilístico e ainda menos licença poética. Não fossem os malditos afetos correlatos ao racismo brasileiro, essa coisificação seria tão hedionda quanto o gesto de saudação a Hitler.

Eu te conto, Ronaldo, que ao longo de várias décadas, desde a criação da primeira palha de aço, a opressão e desumanização do cabelo das mulheres negras tem mudado apenas de marca, no meu tempo escolar era Bombril, no tempo das minhas filhas é Assolan.
Ronaldo Fraga 05Ronaldo Fraga Ronaldo Fraga
Creio que nem no século XXII nos lembraremos desse episódio de repulsa ao seu desfile como um simples acinte politicamente correto. Acho impossível que nossas descendentes, nossas, das mulheres negras de hoje, que nos insurgimos contra o seu escorregão na casca de banana do racismo, venham a dar um sentido positivo à comparação entre palha de aço e cabelo crespo. Este é um símbolo do racismo demasiadamente destruidor, como o ferro de fritar cabelos, como a saudação nazista ou a suástica.
##############################################################################################################################
555019_552198984812512_583765818_nassinatura_hemominas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: