Historia do quarteirão do Soul


Quarteirão do SoulO projeto cultural conseguiu se estabelecer como um dos mais marcantes da cidade, congregando pessoas saudosas e jovens curiosos.
Fãs de soul dançam no que ficou conhecido como Quarteirão do Soul
Galeria de fotos
Quarteirão do Soul 03

Quarteirão do Soul 04

Quarteirão do Soul 05

Quarteirão do Soul 06

Quarteirão do Soul 07

Quarteirão do Soul 08

Quarteirão do Soul 09

Quarteirão do Soul 10
2004, com a compra de um CD na rua Goitacazes, no centro de Belo Horizonte. Valdeci Cândido, o DJ Abelha, queria adquirir de Geraldinho, um lavador de carros do local, uma compilação de soul music. Ao testar o disco no som de sua Caravan, dançarinos passaram e começaram a se envolver com a música. Nascia aí o embrião do que ficou conhecido como Quarteirão do Soul.

Corta para 2013. A Caravan foi vendida, o Movimento Black Soul, criado por Abelha, teve de deixar a rua onde ficou por oito anos – a mesma Goitacazes, onde tudo começou – e houve algumas rupturas entre os membros de primeira hora daquele espaço. Apesar desses contratempos, o projeto cultural conseguiu se estabelecer como um dos mais marcantes da cidade, congregando pessoas saudosas e jovens curiosos. “Fica parecendo que sou um pouco convencido, mas muita gente vem me agradecer por eu ter tido a ideia. Essas pessoas sempre gostaram de black music e de tudo que envolve o estilo, mas não tinham onde curtir. E, hoje, vejo que o público é de 30% de jovens. Acho muito bom ver os mais novos com a gente”, afirma Abelha.

Ele agora está às voltas com o Carnasoul, que aconteceu no último fim de semana e volta à cena no próximo sábado, na rua Santa Catarina, e, no domingo, chega à praça Sete,
“Aproveitamos o cronograma do Black Soul, já que fazemos o evento na Santa Catarina nos dois primeiros sábados de cada mês e no segundo domingo do mês na praça Sete. É uma opção para quem não gosta do Carnaval tradicional. Vai ter festa do mesmo jeito, só que ao som de black music”, explica o DJ, lembrando que hoje tem apoio da prefeitura para os eventos, apesar de a gestão municipal ter pedido para que o Quarteirão se retirasse da Goitacazes. Abelha diz ter concordado com a decisão “numa boa”. “Eles disseram que era uma área residencial e que os moradores estavam reclamando do barulho. O problema é que, quando saímos de lá, a prefeitura só nos autorizou a fazer o soul das 14h às 20h. Já que estamos em outras áreas, queremos voltar a acabar às 22h, como acontecia antes”. Em conversa com o prefeito Marcio Lacerda, Abelha diz ter obtido a garantia de que isso será revisto.
20130131153429781045i
Quando o Quarteirão começou, em maio de 2004, despertou desconfianças, especialmente da polícia. “A PM foi lá, revistou, tentou achar alguma coisa, mas nunca houve, nesses anos todos, nenhum tipo de ocorrência. O que nos interessa é tocar música para quem quiser ouvir”, frisa Abelha. O preconceito foi ficando de lado e os transeuntes, segundo Abelha, começaram a se integrar com os fãs de soul. Ele ainda lembra que hóspedes de um hotel nas proximidades ficavam fascinados com o que viam e ouviam.

Desde os anos 1970, com algumas interrupções, o auxiliar de escritório que se transforma em mestre de cerimônia nos fins de semana, trabalha com música. “Eu sempre fui do soul, desde criança. O soul é a minha vida, eu vivo para ele. Para você ter uma ideia, tem dias que durmo pensando nas músicas que vou tocar, se vai ficar bom ou não”.
565562_295378513913847_1558677467_n2
Durante a infância, o garoto escutava o programa de rádio “Cultura Ritmos da Noite”. Foi ali que ele descobriu o gênero pelo qual se apaixonaria. “Eu ouvi muita coisa ali pela primeira vez, foi como uma escola. E acabei montando minha própria aparelhagem, a Univercitysom, no fim dos anos 1970. Belo Horizonte era a capital do soul. Mas, veio aquela onda da discoteca e acabou tudo, ninguém mais queria ouvir o que a gente tocava”.

Na década seguinte, Valdeci se tornou mestre de kung fu, ganhando o apelido de Abelha e passou a trabalhar como auxiliar de escritório em jornais e revistas de Belo Horizonte. Em 2004, naquele dia em que comprou o CD do lavador de carros e pôs para tocar no som de sua Caravan, ele não imaginou que a música voltaria a vir com força na sua vida. Ele só lamenta ter vendido o automóvel.
foto_30082007174327
“Vou tentar comprá-la de novo, mas eu não sei onde ela está”, diz Abelha. Vão-se os anéis, ficam os dedos.
###############################################################################################################################
Doação de Sangue 00assinatura_hemominas

Uma resposta

  1. Porque voce não querem saber da verdadeira história do Quarteiraõ do soul, é muito simples, passa na rua goitacazes, procurem por geraldo dos Santos( Dj geraldinho) entre rua curitiba e rua são paulo. conversa com ele.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: