Crack se espalha por BH


Ações policiais e sociais reduzem o movimento no entorno do Iapi, mas viciados migram para outros viadutos e ruas da Região Noroeste e do Centro de BH. Moradores se assustam
Desde os primeiros registros da entrada do crack em Belo Horizonte, em 1994, os usuários da chamada “pedra do mal” nunca estiveram tão visíveis. Praticamente expulsos das imediações da antiga cracolândia, na região do Baixo Lagoinha, abastecida diretamente pela favela da Pedreira Prado Lopes, a PPL, principal centro distribuidor dessa droga na capital mineira, eles migraram para outros pontos da Região Noroeste e do Centro da cidade. Com os olhos absortos, fixos em nada, os “noiados” (sob efeito da paranoia) são vistos de dia, de noite e de madrugada vagando feito zumbis por ruas da cidade e assustam moradores.

Como resultado das várias tentativas de conter o crack, que tomou conta dos grandes centros metropolitanos no país, os usuários pulverizaram-se em diversos pontos da capital. Em vez de uma cracolândia, BH passou a registrar dezenas de cenas de crack. Na Rua Araribá e Avenida José Bonifácio, vias que rodeiam os prédios do conjunto habitacional datado de 1947, o movimento de usuários de crack caiu de 400 para menos de 50, segundo constatou a reportagem do Estado de Minas, que percorreu o local em dias e horários variados.

“A cracolândia da Lagoinha foi praticamente desfeita. Nos locais onde os usuários ficavam a PM instalou uma guarita e um grupamento móvel com rondas diárias e as associações de moradores pressionaram até conseguir a retirada do albergue municipal”, afirma Carlos Alberto Júnior, o Juninho do IAPI, presidente da Associação dos Moradores do Conjunto IAPI. Em maio, o conjunto completa 65 anos com a pintura dos prédios e a saída dos dependentes químicos de dentro da área. “Também cortamos o mato e iluminamos a área em volta”, explicou. Os viciados, porém, se espalharam.

Nem a obra de ampliação da Avenida Antônio Carlos, vista como esperança para diminuir o problema, amenizou a situação. Imóveis desapropriados para alargamento da via que se transformaram em lotes vagos, são hoje usados como pontos para consumo da droga. Um a um, os novos viadutos da República do Congo, Senegal e Júlia Kubitschek estão sendo ocupados por grupos de dois, três, ou 10 usuários, que dividem os gramados e escadas que passaram a fazer parte da infraestrutura viária local. Nos bairros Santo André e Bonfim, no entorno da Pedreira, segundo a PM, aumentaram os furtos de aparelhos celulares e até de hidrômetros, vendidos pelos usuários para sustentar o vício.

Para moradores e comerciantes da região, a presença dos usuários preocupa. “Eles incomodam demais. Entram, roubam, levam principalmente produtos não perecíveis e fáceis de ser vendidos para moradores da favela. Em troca, pegam dinheiro para alimentar o vício”, conta o dono de um estabelecimento na região, que pede para não ser identificado. A perturbação, segundo ele, é diária. “Isso ocorre o dia todo. Às vezes precisamos usar a força, bater. Também pedem para trocarmos moeda por notas o dia todo, já que os traficantes não recebem as moedas que os usuários pedem na rua”, relata o comerciante.

Os usuários de crack podem ser flagrados zanzando nas imediações da Praça da Estação, escornados nas calçadas da Estação de Metrô Lagoinha, no Centro da cidade, ou seguindo a mureta de concreto da Avenida dos Andradas até chegar embaixo do Viaduto Santa Tereza. Os grupos se formam em locais protegidos das intempéries (embaixo de viadutos, beiradas de estações de metrô, praças), perto de comida barata (campanhas de sopão e restaurantes populares) e ao menor raio de distância possível do fornecedor de drogas. Na maioria dos casos, são rapidamente identificados como viciados. “O usuário de crack não consegue disfarçar o vício. É o oposto da cervejinha depois do almoço, em que basta chupar um Halls para ser bem aceito na convivência social”, aponta o psiquiatra Aloísio Andrade, presidente do Conselho Estadual Antidrogas (Conead).

Alguns Locais em que grupos de usuários de crack se reúnem para fumar

Entorno do IAPI
Por volta das 10h30, M. perambula entre as ruas Araribá e Avenida José Bonifácio, nas imediações do Iapi. Por dia, fuma 20 gramas de crack, o que dá “umas 100 pedras”. A vida do vício começou há 14 anos. De lá pra cá, perdeu família, emprego, tudo. Segundo ele, está em contagem regressiva. “Não vou durar muito tempo”, desabafa, desiludido. “Continuamos aqui fumando essa porcaria. E é muita gente”, completa.

Bairro floresta
O bombeiro hidráulico L.R.G., de 36 anos, que mora na rua desde 2005, costumava se estabelecer na Lagoinha. “Lá, neguinho só é seu amigo enquanto você tem droga para dividir”, lamenta ele, que afirma fumar crack há mais de 15 anos. Ele vive na calçada do albergue municipal da Rua Conselheiro Rocha, na Floresta. O relógio marca 15h de sexta-feira, momento em que seis usuários repartem crack e oxi trazidas das Torres Gêmeas, a poucos metros dali.

Viaduto do congo
Na última quarta-feira, no Viaduto República do Congo, na Avenida Antônio Carlos, pelo menos 30 viciados utilizavam o “abrigo” para acender cachimbos sem ser incomodados, por volta das 22h. Na escada de passagem para pedestres, seis usuários podiam ser identificados pelo lume da pedra acesa. À frente, na encosta de grama, novas rodas de usuários se formam, em grupos de quatro ou cinco, resguardados pelo paredão da Pedreira.

Metrô Lagoinha
Debaixo da marquise de concreto, que deveria fornecer sombra aos usuários do Restaurante Popular I, cinco usuários de crack estão acampados na Avenida do Contorno. Eles se escondem do sol ainda quente do final da tarde de terça-feira. No ponto bastante degradado, R. tenta repassar aos colegas peças de roupas furtadas. O dinheiro vai financiar o tíquete de R$ 2 do sopão.

Por:Sandra Kiefer e Valquiria Lopes
################################################################################################################################################

Uma resposta

  1. This is a question that is certainly near to my heart. All the best!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: