Alcoolismo, problema de saúde pública


Com certeza, os graves problemas sociais, doenças e tragédias generalizadas decorrentes do uso abusivo do álcool precisam ser reavaliados para que todas as instituições envolvidas na prevenção, desde a família e escolas, até a regulamentação de políticas públicas rígidas, sejam competente e urgentemente cumpridas para enfrentar o principal problema de saúde pública do Brasil: o alcoolismo.
Como o crack e outras drogas terríveis, o álcool está contaminando e viciando cada vez mais os nossos jovens, causando grandes tragédias. Como droga lícita e extremamente perigosa, nossas crianças começam a beber álcool por volta dos 12 anos. Há certa omissão da família na vigilância do consumo; as propagandas abusivas e apelativas circulam em todos os horários na TV e toda a mídia associando a droga à felicidade e prazer; menores compram e consomem álcool livremente e a Lei Seca não funciona de forma eficaz. Resultado: faltam políticas públicas eficazes para conter o grave quadro e os dados do consumo são assustadores e mostrados por especialistas em muitas pesquisas.

Ronaldo Laranjeira e Nino Meloni, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), apontam em 2011 que o alcoolismo é o principal problema de saúde pública no Brasil. Isso é gravíssimo. Mais de 10% de toda a mortalidade ocorrida no país é consequência do consumo excessivo de álcool. Dados recentes do Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas, da Unifesp, mostram que 22 milhões de homens abusam do álcool, 16 milhões são dependentes do álcool e 12 milhões são alcoólatras – um aumento de 30% em 10 anos; 8 milhões das mulheres abusam do álcool e 5 milhões são alcoólatras – aumento de 50% em 10 anos. Cerca de 30 milhões de brasileiros são bebedores de risco. Segundo a Associação Brasileira de Alcoolismo, cerca de 5% dos trabalhadores são alcoólatras comprometendo o Produto Interno Bruto (PIB). Dados de 2011 da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que os brasileiros consomem 18,5 litros de álcool puro por ano. Álcool associado ao volante é de altíssimo risco. Sandra Pillon, da Universidade de São Paulo, mostra que 72% dos carreteiros ingerem bebidas alcoólicas e 51% deles fazem uso abusivo. Os bafômetros acusam dados alarmantes nos motoristas comuns com muitas mortes e tragédias diariamente.

As doenças decorrentes do álcool são terríveis. E os sofrimentos e custos? Entre 2002 e 2006, o Sistema Único de Saúde (SUS) gastou mais de 40 milhões no tratamento de dependentes e procedimentos hospitalares. E hoje quanto se gasta? Urge que o governo e Ministério da Saúde pesquisem em 2011 os números das tragédias sociais nos registros policiais e os custos nos hospitais pelas ocorrências ligadas ao consumo excessivo de álcool para justificar políticas públicas. É preciso rever com urgência a legislação nacional pertinente às apelativas propagandas de bebidas, especialmente cervejas. Impossível que qualquer política funcione de forma eficaz com esse bombardeio de cenas e apelações até sensuais, induzindo milhões de jovens ao consumo. No artigo “Propaganda de álcool e associação ao consumo de cerveja por adolescentes”, publicado em junho na Revista da Saúde Pública, Roberta Farias, da Unifesp, mostra que jovens de São Paulo se identificam com o marketing da indústria de bebidas. Há depoimentos como “as festas que eu frequento se parecem com as dos comerciais”. A noção de fidelidade à marca, exposta constantemente nas propagandas de cerveja, também foi descrita como de impacto essencial para a ingestão de álcool precocemente. Inegável a responsabilidade da mídia e das propagandas na indução ao consumo do álcool no Brasil. Os impostos recolhidos compensam as grandes tragédias sociais e os altos custos hospitalares decorrentes do excessivo consumo de álcool?

Projeto de proibição de propagandas de bebidas em certos horários na TV como o proposto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde em 2008 precisa ser aprovado. Mais que isso: certos conteúdos e cenas das propagandas também precisam ser proibidos. Estampar nos rótulos fotos de doenças e tragédias associadas a exemplo da campanha do tabaco. Álcool tratado como droga. Importante que governo e sociedade civil atentem para os graves danos dessa terrível droga e lutem contra os interesses da indústria de bebidas. Com certeza, os graves problemas sociais, doenças e tragédias generalizadas decorrentes do uso abusivo do álcool precisam ser reavaliados para que todas as instituições envolvidas na prevenção, desde a família e escolas, até a regulamentação de políticas públicas rígidas, sejam competente e urgentemente cumpridas para enfrentar o principal problema de saúde pública do Brasil: o alcoolismo.

Por: Vivina do C. Rios Balbino – Psicóloga, mestre em Educação, professora da Universidade Federal do Ceará e autora do livro Psicologia e psicologia escolar no Brasil
################################################################################################

Uma resposta

  1. Uma doença triste , que eh patrocinada, incentivada pelas midias.
    Uma Droga que e legalmente liberada… que vem a cada dia causando
    grandes tristezas mas familias do mundo inteiro.
    Um problema de saúde publica ….

    “Diga não as drogas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.704 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: