POLÍCIA E PRECONCEITO RACIAL


Author: Gidasio Silva.

“Quando a Polícia cai em cima de mim, até parece que eu sou fera…” Edson Gomes
“Todo camburão tem um pouco de navio negreiro…” Marcelo Yuka – O Rappa
O Brasil tem uma dívida incalculável com a questão histórica do preconceito racial e, embora haja algumas ações afirmativas das várias instâncias governamentais, tudo ainda é muito tímido no sentido de reparar uma ferida que permanece aberta, sendo magoada constantemente pelos contornos sociais estigmatizantes.
É certo que os navios negreiros não singram mais os mares, porém, os negros continua sendo tratados como escravos, alijados dos processos sociais, amontoados nos guetos onde o poder público não chega, onde o amparo à saúde é quase nulo e onde cultura, educação e lazer, são artigos de luxo, nem sonhados por aquela parte da população.
Há uma frase do poeta Carlos Drummond de Andrade, a qual tomo emprestada para o meu raciocínio: “As flores não nascem da lei”. Creio que mais do que leis que promovam cotas para os negros nas Universidades, que estabelecem ações afirmativas, precisamos de uma mudança íntima na nossa forma de pensar e agir. O preconceito, não apenas o racial, mas em seus vários prismas, nasce do entendimento deturpado de que “fulano” é superior a “beltrano” por conta de sua cor, de sua opção sexual, de seu status social, e tantos outros parâmetros usados para medir e justificar a opressão e a dor imposta ao outro, ao diferente.
Olhando agora para a instituição Policia Militar, é preciso se perceber que as ações individuais de seus membros, ainda que recorrentes, não são institucionalizadas, ou seja, não são passadas nos cursos de formação, nas regras de conduta interna. Muito pelo contrário, baseado na Constituição Cidadã, os regramentos internos das Policias, estabelecem que todo policial deve “tratar a todos com urbanidade, independente do credo, da cor, da opção sexual…” Então, por que as cenas de violência contra negros praticadas por policiais? Por que esse sentimento de repulsa à Polícia cantada em versos e prosas? Creio que pela natureza cerceadora da atividade policial, ela, a Instituição, acaba sendo identificada como “algoz que domina a chibata”. Esse sentimento histórico é ampliado pelas ações desastrosas e eivadas de preconceitos de alguns de seus integrantes, que, desmerecendo a Corporação e o juramento que realizaram, no qual prometeram “proteger a sociedade (sem discriminações), mesmo com o risco da própria vida…” , maculam o nobre papel de protetora e guardiã da comunidade.
O policial que age com truculência ou leniência diante de um fato, motivado pela cor da pessoa envolvida, não aprendeu essa atitude na Corporação. Ele já alimentava esses sentimentos e, usando uma farda da polícia, encontrou lugar para ampliar, injustificadamente os seus sentimentos e atitudes.
Por isso, creio que não podemos falar de preconceito racial praticado pela Instituição Policial, e sim, por alguns de seus membros, isoladamente. O preconceito racial, assim como um câncer, é um mal que acaba eclodindo em todos os sistemas e instituições da sociedade. Ele ganha lugar no coração e na mente do homem. Como as instituições são formadas por pessoas, são elas as responsáveis por propagar ou debelar os preconceitos de todos os matizes.
Assim, talvez de uma maneira romântica e utópica, creio que o grande desafio da sociedade, no sentido de desarraigar o preconceito racial, é o estabelecimento de um pacto que envolva o processo educativo, cultural, social e econômico, tendo como alvo, o lugar onde nasce o preconceito: o coração e a mente de cada homem e mulher. Em arremate, este é um desafio para a Polícia, a Universidade, a Escola, a Família, a Igreja, em suma, para aqueles que não perderam a capacidade de ouvir os ecos do passado e se aventuram na construção de um mundo novo, a começar pelo seu mundo interior.

– José Carlos Vaz Souza Miranda


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: