Juventude Não é Alienada



Foram sete meses de debates que envolveram milhares de jovens em todo o Brasil. Jovens do campo, jovens da cidade; estudantes e trabalhadores; jovens interessados e engajados nos mais variados movimentos (hip-hop, meio ambiente, cultura, esporte, diversidade sexual, arte). Uma mobilização intensa que mostra uma realidade inversa daquela que a mídia tenta, constantemente, incutir no senso comum: de que a juventude brasileira é alienada, não tem interesses coletivos, não participa de organizações e cultiva, apenas, um sentimento individualista.


Tiveram destaque nos debates da 1 ª Conferência Nacional de Juventude – encerrada no dia 30 de abril – os temas relacionados à situação de precarização do trabalho para a juventude, no qual se salientou a dificuldade em se conseguir o primeiro emprego, a baixa remuneração e a falta de postos. Também teve centralidade a discussão sobre Educação, desde a educação básica, passando pelo ensino profissionalizante, até a educação superior. A crescente criminalidade e seus impactos sobre a população foi outro tema muito abordado.


Desde a criação da Secretaria Nacional de Juventude e do Conselho Nacional de Juventude, no primeiro mandato do presidente Lula, o Brasil passou a ser um dos países que dispensa atenção particular a esse segmento social, discutindo e desenvolvendo políticas públicas específicas para os jovens. Até então, não havia uma preocupação particularizada do poder público com a juventude. As políticas eram traçadas de forma fragmentada e as iniciativas pulverizadas nos ministérios e outros órgãos públicos.


Com a criação da Secretaria e do Conselho, iniciou-se um processo de centralização dessas ações para potencializá-las e constituir um arcabouço de Políticas Públicas para a Juventude (PPJ) no país.


A Conferência Nacional de Juventude ampliou essa iniciativa enriquecendo as propostas do governo com as experiências que são desenvolvidas por todo o Brasil, envolvendo outros setores nesse processo e legitimando as ações futuras, a partir de um ambiente democrático de debates e decisão.


Foram definidas 22 propostas de políticas públicas para a juventude que serão um orientador importante para o governo federal e, principalmente, dos governos estaduais e municipais. O principal desafio, agora, é concretizar as propostas apresentadas, transformando-as em ações que possam interferir positivamente na vida da juventude brasileira, principalmente daquela que se encontra em situação de risco por falta de oportunidades.


Como a vida das pessoas acontece nas cidades, as eleições de 2008 são um momento importante dessa discussão. Os candidatos e candidatas devem se apropriar dessas propostas e incorporá-las em seus programas de governo. Também é momento oportuno para estimular o protagonismo juvenil, envolvendo os jovens nas definições dessas políticas, seja estimulando candidaturas jovens, seja trazendo um maior número de jovens para participarem efetivamente do processo eleitoral.




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: